sábado, 17 de janeiro de 2015

Amor Desacontecido

Amor Desacontecido 
nelson antonio

Voltava do trabalho, tocou no rádio do carro a nossa antiga  música, arrepiando como uma lufada gélida minha memória adormecida ,  jogada no esquecimento  ante o cotidiano de todos os dias. Senti uma vontade louca de rever, de falar com você,  de saber de suas coisinhas que há anos eu ignoro : atual cor dos cabelos , ainda magrinha estava lutando com a balança ? , o seu casamento antes em crise  ainda se sustentava ? , estava feliz  e fazendo as mesmas coisas que te envolviam? , enfim o tempo fez algum estrago ou melhoras em você? etc.  Chegando em casa,a coragem tomou meu coração  e , com um ímpeto de um adolescente apaixonado , liguei pra seu antigo número com o coração aos saltos dentro de peito. Do lado de lá a sua voz atendeu-me delicadamente com a mesma doçura de sempre num simples  " ALô " , " Alô, com quem quer falar ? ". Fiquei mudo do outro lado da linha, não ousei me identificar . Um nó na garganta  me prendia a própria respiração. Ficamos ambos silentes  esperando o outro  se dizer alguma coisa. Os Alôs   do lado de lá  eram repetitivos e aflitos. Sentia sua respiração ofegante . Eu estático como uma estátua . Por fim desliguei meu bendito celular. Meus olhos marejados lavavam minha alma impiedosamente. E como amei você em suas tantas lembranças que punham a nocaute todas as minhas defesas. Dormi vagarosamente pensando como é triste se gostar  de quem não gosta mais da gente.E a gente não tem a coragem de tirar do coração ... este amor desacontecido