segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

MEDICINA- CÂNCER : PREVENIR É MELHOR QUE REMEDIAR ...


Cancer de intestino

Câncer de pele ( forma mais comum e menos perigosa)


Câncer de pele ( forma mais invasiva e perigosa )

Câncer de ânus ( reto )
Câncer de Próstata


Cãncer de Mama ( estágio final )

Mamografia detectando Câncer de mama
Mamografia com Câncer de mama adiantado


CÂNCER : PREVENIR É MELHOR QUE REMEDIAR ...

Dr Nelson Antonio Corrêa - CRMMG 7609 - Médico do Ministério da Saúde
Médico especialista em Medicina do Trabalho/ Ginecologia e Obstetrícia
email: drnelsonantonio@gmail.com telefone : 31-9111-8477


As neoplasias malignas ou cânceres constituem-se na segunda causa de morte na população brasileira , representando quase 17% dos óbitos de causa conhecida, notificados em 2007 pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade. A prevenção e o controle de câncer são as ferramentas básicas para diminuir estes dados tão significativos que ceifam tantas vidas brasileiras que poderiam ser salvas, aliadas a uma gestão competente e o melhor uso dos recursos disponíveis para o planejamento, execução e avaliação das estratégias de controle da doença. Como diz a normatização da Política Nacional de Atenção Oncológica, pela Portaria nº 2.048, de 3 de setembro de 2009, procura-se otimizar as ações voltadas à prevenção até a assistência de alta complexidade, integradas em redes de atenção oncológica.Infere-se que, ainda, " planejar é fundamental " na palavra certa e segura do Dr Luiz Antº Santini Rodrigues da Silva, Diretor Geral do Instituto Nacional de Câncer (Inca).
Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), que visam o planejamento e a gestão da saúde pública em câncer no Brasil, contidas na sua recente publicação “Estimativa 2010: Incidência de Câncer no Brasil“ , com informações de referência para os anos 2010 e 2011, o Brasil terá 489.270 casos de câncer em 2010, incluída nesta Estimativa os cânceres de pele não melanona , que são os mais frequentes e de melhor prognóstico de cura.
Há outros dados interessantes na publicação do Inca para este ano: no Brasil, o câncer atingirá mais as mulheres , num total de 192.590 acometidas, o que perfaz 51,3 % , em relação aos homens, com 182.830 cancerosos.
Ainda segundo o Inca, os cânceres mais frequentes entre os brasileiros em 2010 e 2011, depois do câncer de pele não melanoma,( absoltuto no primeiro lugar com 53.410 casos entre homens e de 60.440 nas mulheres), serão próstata (52.350), mama feminina (49.240), cólon e reto (28.110), traqueia, brônquio e pulmão (27.630), estômago (21.500), colo de útero (18.430), cavidade oral (14.120), esôfago (10.630), leucemias (9.580), melanoma (5.930) e outros tipos de cânceres (137.900). Explicitando as neoplasias malignas mais frequentes por sexo:
HOMENS
Pele não melanona..............................53.410
Próstata..............................................52.350
Traqueia, brônquios e pulmão.............17.800
Estômago...........................................13.820
Cólon e Reto......................................13.310
Cavidade Oral....................................10.330
Esôfago................................................7.890
Leucemias............................................5.240
Pele Melanoma....................................2.960
Outros..............................................59.130

MULHERESPele não melanoma............................60.440
Mama Feminina...................................49.240
Colo do útero.......................................18.430
Cólon e Reto........................................14.800
Traquéia, brônquios e pulmão..................9.830
Estômago..............................................7.680
Leucemias.............................................4.340
Cavidade Oral.........................................3.790
Pele Melanoma.......................................2.970
Esôfago..................................................2.740
Outros..................................................78.770


Em relação às regioes brasileiras, nas mulheres do Norte, o câncer do colo uterino seráo mais prevalente com 22,8 casos novos por 100 mil habitantes; o câncer de mama predomina nas outras áreas, inclusive no Sul atinge o índice de 64 casos novos / 100 mil hab , e no Sudeste o índice atinge 65 casos novos por 100 mil habitantes, principalmente no Rio de Janeiro com 7.470 novos casos e São Paulo que tem uma estimativa de 15.080 para os dois próximos anos. Entre os homens no Rio Grande do Sul , a maior incidência será de câncer de próstata, com 4.510 novos casos. No Ceará, o câncer de estômago será o terceiro em incidência para o sexo masculino com 730 casos novos.
Em termos mundiais, estima-se um gasto global de US$ 305 bilhões com os novos casos de câncer no planeta..
O que fazer para mudar no futuro esta alarmante e triste estimativa? Tomarmos medidas preventivas como a cessação do hábito do tabagismo, melhorarmos a alimentação e incrementarmos a prática de exercícos físicos regularmente.
Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), apenas com o controle do tabagismo, 30% dos cânceres, de um total de 375.420, seriam evitados, ou seja, 112.626 casos. Também, nos diz que ao adotarmos uma dieta saudável à base de frutas, verduras e alimentos fibrosos, além de uma dieta pobre em gorduras, teríamos uma prevenção de 35 % dos cânceres.
Apresenta-se a seguir os sete cânceres mais incidentes com aspectos preventivos e prognósticos:
Quanto ao câncer de mama, a amamentação, prática de atividade física e alimentação saudável com a manutenção do peso corporal estão associadas a um menor risco de desenvolver esse tipo de câncer que apresenta um bom prognóstico se diagnosticado e tratado precocemente. A metodologia atual recomenda como métodos efetivos para esta detecção precoce a mamografia, a cada dois anos, para mulheres com idade entre 50 e 69 anos, e o exame clínico anual das mamas para todas as mulheres que procuram atenção à saúde da mulher, principalmente na faixa de 40 a 49 anos. Para portadoras de histórico familiar de Câncer de mama em parentes de primeiro grau, o exame clínico das mamas e a mamografia devem ser feitos anualmente, a partir os 35 anos.Assim, teremos uma sobrevida de cinco anos aumentada com índices acima dos 57 % atuais dos países em desenvolvimento contra os 73 % dos países desenvolvidos.
Em relação ao câncer de pulmão, geralmente é detectado em estágios avançados pois inicialmente sua sintomatologia não é comum, daí ser uma doença altamente letal sendo uma das principais causas de morte evitável . A sobrevida de cinco anos varia de 12 % a 20 % , segundo o grau de desenvolvimento do país. 80 a 90 % do câncer do pulmão são atribuídos ao uso do fumo sendo o risco de 20 a 30 vezes maior que os não fumantes.
No câncer de estômago, estimado para 2010 em 13.820 casos novos entre homens e de 7.680 nas mulheres, atitudes para a prevenção incluem melhorias no saneamento básico, mudanças no estilo de vida da população, modificação do consumo alimentar (aumento da ingestão de frutas, legumes e verduras, redução do uso do sal, melhores métodos de conservação alimentar), bem como atitudes individuais como não fumar e manutenção do peso corporal. A infecção por Helicobacter pylori continua sendo o maior fator de risco para o desenvolvimento do câncer de estômago, aumentando cerca de seis vezes a incidência desse tipo de câncer. A sobrevida é baixa, entre 20 a 30 % dos acometidos.
Já para o câncer do colo uterino, a incidência é maior na faixa dos 45 aos 49 anos, sendo o câncer mais prevenível e curável quando diagnosticado precocemente. Para seu desenvolvimento , é encontrada a presença do Papilomavírus Humano (HPV) com seus 13 tipos oncogênicos associada aos fatores de risco como o tabagismo, multiplicidade de parceiros sexuais, uso de contraceptivos orais, multiparidade, baixa ingestão de vitaminas, iniciação sexual precoce e coinfecção por agentes infecciosos como o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e Chlamydia trachomatis. No Brasil, 80 % da mortalidadde é reduzida com exame citopatológico de Papanicolaou , recomendado principalmente na faixa dos 25 aos 65 anos junto com o tratamento das lesões precursoras com alto potencial de malignidade ou carcinoma in situ. No Brasil, a ANVISA ( Agência acional de Vigilância Sanitária) liberou as vacinas para a prevenção de infecção pelos tipos virais mais comuns de HPV, para mulheres entre 9 a 25 anos, pensa-se em colocá-la em disponibilidade gratuita. Será um marco histórico para a involução desta patologia.
Quanto ao câncer de próstata , 75% dos casos mundiais situam-se nos homens acima de 65 anos e sua incidência está aumentando, sendo que no Brasil, decorre do aumento da expectativa de vida da população, da evolução dos métodos diagnósticos( desmistificação do exame urológico com toque retal e dosagem plasmática do PSA (Antígeno Prostático Específico, associados) e da melhoria da qualidade dos sistemas de informação do país. Seu prognóstico é favorável quando diagnosticado e tratado oportunamente, com sobrevida média mundial de 5 anos de 76 % . A obesidade e a dieta são fatores importantes para a etiologia da doença, se baseada em gordura animal, carne vermelha e cálcio .Já uma dieta rica em vegetais, selênio, vitaminas D e E, licopeno e ômega-3 tem indicado proteção para o desenvolvimento dessa neoplasia.
O câncer de cólon e reto configura-se como a terceira causa mais comum de câncer no mundo em ambos os sexos , principalmente mais incidentes em homens. Tem bom prognóstico se tratado a tempo.É importante a predisposição genética para os pólipos e a presença de história familiar destes cânceres para o desenvolvimento deles. Também são fatores de risco à doença, dietas baseadas em gorduras animais,baixa ingestão de frutas, vegetais e cereais, consumo de álcool e o tabagismo e a idade aumentada. A atividade física regular é um fator protetor a estes cânceres. Este tipos de cânceres são detectados pela pesquisa de sangue oculto nas fezes e através de métodos endoscópicos.
O câncer de pele,não melanoma, o primeiro em incidência,tem letalidade baixa.
Quanto ao melanoma, sua letalidade é elevada,principalmente com história familiar ou pessoal, exceto se diagnosticado e tratado precocemente; porém sua incidência é baixa (2.960 casos novos em homens e 2.970 casos novos em mulheres). As maiores taxas estimadas em homens e mulheres encontram-se na Região Sul.
Todos os cânceres de pele têm sua incidência aumentada quando da exposição excessiva ao sol, com sua radiação ultravioleta (UV).Também , sensibilidade da pele ao sol, , doenças imunossupressoras e exposição ocupacional. Além disso, os pacientes imunocomprometidos (como os transplantados renais) têm um maior risco para o desenvolvimento do câncer de pele não melanoma. Medidas excelentes são proteção contra luz solar, que são efetivas e de baixo custo. O autoexame também contribui para o diagnóstico precoce. Ao surgimento de manchas/sinais novos ou mudança em alguns, o indivíduo deve procurar o dermatologista. A educação em saúde, tanto para profissionais quanto para a população em geral, no sentido de alertar para a possibilidade de desenvolvimento de câncer de pele e de possibilitar o reconhecimento de alterações precoces sugestivas de malignidade, é outra estratégia internacionalmente aceita.
De tudo que aqui se expôs, quero deixar explícita uma impressão final: procure levar uma vida saudável e afaste os fatores de risco para os cânceres mais incidentes no nosso país. Afaste-se do tabagismo e do uso constante de bebidas alcoólicas, faça uma alimentação equilibrada e voltada para frutas, legumes e hortaliças, pratique regularmente atividades esportivas. Prevenir é melhor que remediar. E seja amigo do seu médico. E de você mesmo! Ame-se !
Nelson Antonio











Fonte citada: Estimativa 2010 - Incidência de Câncer no Brasil - Ministério da Saúde - INCA ( Instituto Nacional do Câncer )

Nenhum comentário:

Postar um comentário