domingo, 12 de dezembro de 2010

Desnudando-me


Desnudando-me


Nelson Antonio

numa manhã fria e de chuvinha triste



Dedico a quem eu amo ... em reclame.



Vou desnudar-me pra você por inteiro, mesmo sabendo de toda a neve e o frio que está aí fora ... dentro de ti. Mas que pode degelar um coração aquecendo-o descompassadamente... se ele é ainda coração .Ou congelar-me o meu... desnudo e desprotegido de mim mesmo... procê. São as fatalidades dos amores desencontrados. É o ridículo da vida. É a beleza do viver! É o AMOR! É o gostar, sinceramente... doendo.
Eu gosto de você,simplesmente pelo gostar, orgânicamente impossível não pensar em você com doçura, com amor, com paixão.Sempre serei teu...e isto será eterno.
Simplesmente, eu queria ficar de frente pra tua carinha linda, te sorrir docemente , fitar teus olhos e sentir todas as estrelas que existem neles e que fazem brilhar minha alma intensamente. Também, queria tocar teus cabelos e brincar com eles, sentir teu perfume floral de pêssego,tomando teu rosto de encontro ao meu e beijando-te ternamente estes lábios carnudos, tintos de carmim , com a suavidade do veludo e de uma maciez de algodão. Queria sentir o gosto de hortelã de tua boca macia e mordiscar tua língua com suavidade e muita ternura. E ouvir nossas vozes em sussuro dentro de nossos ouvidos ávidos um do outro. Então, pegar tuas mãos e entrelaçá-las nas minhas , puxando teu corpo para junto do meu, e te envolver num abraço infinito como se fosses partir de mim para nunca mais. Colando-a junto a mim, sentir nossos corações uníssonos e felizes, tão perto que nossas almas se fundissem numa só, numa amálgama de amor e de ternura.
Inebriando-me com a fragância doce que vem do teu corpo, um misto de J'Adore-Infinity-Dune, lembrar-me de músicas
imortais e que nos envolvam em ternura e paixão, , odorizando nossos momentos com aromas musicais que embalassem nossas almas apaixonadas, entregues e extasiadas.
E depois, com o cuidado de como alguém que passeasse sobre um jardim florido e se cuidasse para não magoar as flores que estavam a teus pés, eu , sem pressa, delicadamente, desabotoasse teu vestido, deixando transparecer aos poucos o teu corpo nu, como um sol preguiçoso e nascente da manhã que fosse despertando e desabrochando os segredos da grande noite escura e oculta sobre tuas vestes mais íntimas.
Então, te cobriria de beijos incessantes , vagarosos e cuidadosos, o teu rosto-pêssego, tuas orelhas, teu pescoço, teu colo, teus seios enrijecidos de desejos, teu ventre em êxtase , tuas coxas e pernas e pézinhos delicados , toda você... parando apenas naquela encantadora e inesquecível coisinha linda que tens entre as coxas
roliças, o teu sexo ardente .
O resto não mais descrevo pois o Amor nos reensinaria o caminho que já percorremos tantas vezes , nossa química e alquimia mágica reacesas que nos levará àquele abraço final , infinito e apertado , deslocando nossos ossos, e nos levando juntos aos céus num orgasmo frenético e indescritível .
Depois, sorrindo , conversaríamos bobagens de enamorados : falaríamos de estrelas, de músicas, de flores e do quanto nos adoramos. E nos necessitamos. E como isto é sincero em nós.
Sem convenções, o cotidiano ficando lá fora, pois nada nem ninguém pode atrapalhar um amor que sempre será só nosso e que Deus nos deu a oportunidade de gozá-lo acima de todas as adversidades e conveniências sociais a que nos expomos.
Pois o Amor é incondicional. E é uma covardia matar, sufocar um sentimento tão lindo só porque somos covardes ou acomodados para desfrutarmos de nós mesmos. Ou não o( nos ) merecemos...
É triste mas é real: lá fora a chuva parece chorar... por nós!
E, instintivamente, tenho a nítida sensação que vou ficar sonhando sozinho mais uma vez... com meus poemas de solidão e medo.
Sabe, às vezes, eu fico feliz de verdade. Ao pensá-la!

* O amor, deixe-o livre para amar a quem quiser... se o quiser ( em )!
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário