terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Mar-Vida




Mar-Vida


Nelson Antonio






Viver uma vida em prol de outrem
Não é viver, é auto-mutilar-se:
É puxar o pino da granada e pô-la no bolso do paletó,
É fazer os ponteiros da hora anti-horarem-se,
É olhar-se no espelho e não se enxergar.
É o gritar do mudo, o ver do cego,
O escutar sem ter ouvido.
Amor do ódio.De si. Do mundo. De Deus.
A vida é um percurso a ser percorrido,
Como um rio que, partejando da terra,
Corre, se represa, despenca de abismos,
Adormece em seu leito de águas mansas
Para ir morrer no mar, docemente.
Se somos vida temos que serpentear obstáculos,
Às vezes ceder, quase sempre cair pro sempre se levantar.
Como os rios, temos que ousar nossa trajetória ímpar
Até o mergulho final na certeza absoluta do fim.
Não podemos ser o rio de ninguém ,
Não devemos ser a vida de quem amamos,
Temos que ser simplesmente elemento água, nós!!!
Quem nos ama navegará nossas águas por algum tempo
E nos abandonará nos percalços intransponíveis da caminhada.
E temos que ter o entendimento disto:
Se somos água podemos ser agora a gota de chuva,
A catarata que despenca, ou a lágrima que escorre de um rosto,
Atentos à dignidade da certeza de quem um dia seremos MAR!
Pois o mar é feito de gotas d'água mínimas, de nós.
Se o seu sofrimento tem a dimensão do mar
É porque no oceano do amor de Deus todos os mares se tornam meras gotas d'água...

Dos que morrem de Amar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário