sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Abandônica




Abandônica

Nelson Antonio



É triste se gostar pelo coração
Quando ele se acha adoentado
E ficamos com a nítida sensação
De o terem em vida nos tirado... .

De que vale o que vivenciamos
Se nossos sonhos adormecem
No coração de quem amamos
E, abandonados, ali fenecem?

Amar sem sofrimento e com entrega
De nossos corpos e de nossas almas
É tudo que um coração almeja

Mas vem a dura realidade crucial
Dilacerando o pobre órgão como punhal:
Abandoná-lo ferido de morte à própria sorte...

Nenhum comentário:

Postar um comentário